Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/05/20 às 14h16 - Atualizado em 6/05/20 às 14h16

GDF retoma licitação para construção de viaduto na EPIG

COMPARTILHAR

O Governo do Distrito Federal retomou nesta semana a licitação para execução das obras do viaduto da Estrada Parque Indústrias Gráficas (Epig). As empresas interessadas em participar da concorrência podem acessar o edital completo e anexos no site da Novacap (http://sistemas.novacap.df.gov.br/licitacao/). A licitação vai ocorrer no dia 8 de junho. O investimento previsto é de R$ 26.043.415,11.

 

O viaduto será construído na intersecção da EPIG com o Sudoeste e o Parque da Cidade – local por onde passam, em média, 22 mil veículos por dia. “Com o viaduto, semáforos e retornos que interligam as duas vias serão retirados. Vai tirar o gargalo. O engarrafamento dentro do Parque da Cidade vai acabar, e a obra já dará mais fluidez ao trânsito”, explica o Secretário de Obras, Luciano Carvalho.

 

Os trevos na EPIG serão feitos em trincheiras, ou seja, de forma subterrânea. Com a mudança, quem sair do Parque da Cidade em direção ao Sudoeste não terá mais de passar por semáforos e retornos. Seguirá direto para a Avenida das Jaqueiras, passando embaixo da EPIG. A obra também permitirá sair do Sudoeste, na altura da avenida, e pegar a EPIG sentido Plano Piloto — e vice-versa — sem a necessidade de retorno.

 

Como o viaduto faz parte de uma série de intervenções do corredor Eixo Oeste, os trabalhos incluirão o alargamento de vias para que, no futuro, haja em toda a EPIG quatro faixas, uma delas exclusiva para BRT.

 

O projeto do corredor Eixo Oeste — com 38,7 quilômetros de extensão — prevê o alargamento de pistas e a construção de faixas exclusivas nas principais vias de ligação do Sol Nascente com o Plano Piloto, como a Hélio Prates, a EPIS e a Estrada Parque Polícia Militar (ESPM), que leva ao Terminal da Asa Sul. O objetivo é reduzir em meia hora o tempo de deslocamento até o Plano Piloto.

 

As obras são feitas por trechos uma vez que seria inviável fazer as intervenções de uma vez no trânsito.