Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/06/21 às 18h41 - Atualizado em 18/06/21 às 14h48

GDF marca licitação de mais uma etapa da revitalização da EPIG

COMPARTILHAR

O Governo do Distrito Federal marcou para 19 de julho a licitação para contratação de empresa responsável pelas obras de requalificação da Estrada Parque Indústrias Gráficas (EPIG). A empresa vencedora do certame deverá elaborar estudos técnicos, elaborar os projetos básicos e executivos e executar as obras de readequação, uso e manutenção da via. O investimento previsto é de R$132.603.800,37 e a expectativa é de que sejam gerados 300 empregos diretos e cerca de 900 indiretos.

 

As obras de requalificação da via EPIG preveem a implantação de faixa exclusiva para ônibus no sistema BRT, a construção de 9 viadutos, estações BRT, passagens para pedestres e ciclovias. Por questões de logística e segurança, as obras serão realizadas em 6 trechos.

 

O primeiro trecho, situado no intervalo entre a EPTG e o fim da interseção viária entre a EPIG e a ESPM, abrange a implantação de corredor BRT, a construção de 2 novos viadutos, instalação de ciclovias, obras de drenagem, pavimentação, sinalização, paisagismo, calçadas e mobiliário urbano.

 

O segundo trecho, localizado no intervalo entre a interseção EPIG/ESPM e a interseção entre EPIG/Sudoeste/Parque da Cidade, prevê a implantação do corredor BRT, a construção de 3 viadutos, além de instalação de ciclovias, obras de drenagem, pavimentação, sinalização, paisagismo, calçadas e mobiliário urbano.

 

O terceiro trecho, por sua vez, consiste na construção de viaduto na interseção da EPIG com o Sudoeste e o Parque da Cidade – local por onde passam, em média, 25 mil veículos por dia. O investimento será de R$24,6 milhões. Os trevos na EPIG serão feitos em trincheiras, ou seja, de forma subterrânea. Com a mudança, quem sair do Parque da Cidade em direção ao Sudoeste não terá mais de passar por semáforos e retornos. Seguirá direto para a Avenida das Jaqueiras, passando embaixo da EPIG. A obra também permitirá sair do Sudoeste, na altura da avenida, e pegar a EPIG sentido Plano Piloto — e vice-versa — sem a necessidade de retorno.

 

A quarta etapa desta grandiosa obra será executada no intervalo entre a interseção EPIG/Sudoeste/Parque da Cidade e o entroncamento do Setor de Indústrias Gráficas (SIG) e consiste na implantação do corredor BRT, na construção de 2 novos viadutos, na implantação de duas passarelas subterrâneas para pedestres, além de instalação de ciclovias, obras de drenagem, pavimentação, sinalização, paisagismo, calçadas e mobiliário urbano.

 

O quinto trecho da obra prevê, entre outros serviços, a construção de um viaduto, implantação do corredor BRT e ciclovias, além de obras de drenagem, pavimentação e paisagismo. O sexto e último trecho estabelece a readequação do sistema viário para duplicação da via e implantação de estacionamentos públicos, além de obras de drenagem, pavimentação e implantação de ciclovias.

 

“Esta é mais uma importante obra viária do corredor eixo oeste que conseguimos tirar do papel. A via EPIG será totalmente remodelada. Com isso, esperamos reduzir em pelo menos 25 minutos o tempo de deslocamento do Sol Nascente ao Eixo Monumental”, explica o secretário de obras, Luciano Carvalho.

 

CORREDOR EIXO OESTE

 

Com 38,7 quilômetros de extensão, prevê o alargamento de pistas e a construção de faixas exclusivas nas principais vias de ligação do Sol Nascente com o Plano Piloto, como a Hélio Prates, a EPIG e a Estrada Parque Polícia Militar (ESPM), que leva ao Terminal da Asa Sul. O objetivo é reduzir em meia hora o tempo de deslocamento até o Plano Piloto. As obras serão feitas por trechos, uma vez que seria inviável fazer as intervenções de uma vez no trânsito.

 

“O corredor eixo oeste faz parte do PAC da Mobilidade firmado com o Governo Federal em 2013. De lá pra cá quase nada foi executado. Nós, então, cumprindo determinação do governador Ibaneis Rocha, corremos atrás, atualizamos os projetos, renegociamos o financiamento com o Governo Federal e, agora, estamos tirando do papel várias obras. É o caso do túnel de Taguatinga, da construção dos viadutos da EPIG e da ESPM e da requalificação completa de vias importantes como Hélio Prates, EPIG e ESPM”, destaca Luciano Carvalho.